quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Cobertura Morta nos Canteiros

Denomina-se cobertura morta orgânica os resíduos de folhas, cascas de arroz, palhas, lascas de madeira, capim, serragem etc utilizados como forragem em lavouras e hortas. Este tipo de cobertura é muito utilizado em hortas orgânicas e seus benefícios consistem em melhorar as condições biológicas do solo (como controle do pH e umidade) e dificultar a germinação de ervas daninhas e outras vegetações rasteiras, contribuindo para uma produção sadia.

A cobertura morta também serve de abrigo para insetos benéficos, que não se alimentam das plantas, mas de fungos e outros organismos nocivos a plantação.

Cascas de Árvores
Há também um outro tipo de cobertura, conhecida como cobertura morta inorgânica, que inclui vários tipos de pedras e borracha pulverizada, mas não é o mais indicado, pois não se decompõem e precisam ser repostas frequentemente.

O ideal é manter a cobertura morta nativa, ou seja, as folhas e galhos que caem da própria planta, mas até que as hortaliças se desenvolvam o suficiente para produzir sua própria cobertura morta, você pode fazer a aplicação de outras coberturas. As principais foram citadas no início do post. 

A forma de aplicação é feita da seguinte maneira:


Serragem
Distribua cerca de cinco cm de cobertura morta em todos os canteiros e vasos. Cuide para não exagerar, pois o excesso promoverá muita adubação no solo, que prejudica o desenvolvimento das plantas. 

Com a ajuda de um ancinho, afofe semanalmente o solo dos canteiros e vasos. 

Procure trocar as coberturas de sua horta a cada 2 meses, para renovar os nutrientes do solo. 

Nunca use resíduos verdes, pois provocam fermentação e podem atrair fungos e bactérias.

Limpe canteiros e vasos, livrando-os de ervas daninhas, antes de aplicar a cobertura.

Paisagistas gostam de usar cascas de pinho como cobertura morta em jardins por agregar um aspecto bonito ao ambiente. Para a horta dê preferência a serragem, casca de arroz, palha de coco... que por serem mais leves não prejudicam a germinação das sementes que caem das plantas (como ocorre com o manjericão, as pimentas, entre outros).